A TRIBAL - Pelo olhar de Flavio Dario Pettinichi

Caminhão da TRIBAL.

Há alguns anos um grupo de pessoas. Ligadas à arte e a cultura, se unia por uma causa (ou causas e causos também) para assim poder compartilhar suas experiências profissionais, amadoras ou por simples gosto .

No começo foi o caos e depois veio o verbo do caos, e este grupo cresceu até se transformar numa corrente de energia de onde surgiam idéias, projetos e acontecimentos ligados ao único propósito de se fazer arte e exprimir os conhecimentos culturais que cada um tinha para oferecer . Dez anos se passaram e dentro destes se passaram alegrias, desavenças , conquistas e fracassos, estes os menos.
Muitos anos se passaram dentre papeis , reuniões, café e arte na mesa, palcos nas estradas, palcos nas praças e palcos nos palcos, muito foi esforço de poucos para os muitos que estavam sedentos de vida cultural e poucos foram os que continuaram até hoje, eu dentre eles, por razões geográficas, porém , isto não fez que a chama da esperança se apagasse , a chama que cada artista tem dentro de si mesmo , a chama que faz que na solidão do atelier ou na invalidez dos fatos o artista nunca deixa apagar .
A Presença do Público prestigiando a TRIBAL.
Muitas foram as lágrimas que de raiva ou alegria foram derramadas, muitas foram as risadas , no escárnio ou na simples piada do companheiro batalhador , risadas que foram se multiplicando dentre a sociedade onde o pão da alegria cultural era repartido, a risada da criança de uma escola de subúrbio, a risada escondida de dona Maria do bairro periférico, a lágrima emotiva do professor ,do colégio da favela,que tinha levado a sua turma para ver este ato mambembe de ser e existir pela arte e para a arte.
Muitos sapatos foram gastos nas idas e vindas para colocar em pratica o sonho de um mundo mais alegre, mais colorido e por cima de tudo muito mais justo, onde além do prato na mesa também se exigia , e se exige ainda, o direito ao lazer cultural, o direito a amar os livros, o direito a assistir algum filme infantil que não seja imposto pela grande mídia, o direito de se sentar no chão de alguma praça e escutar alguma estória que começa com “era uma vez...”em fim o direito a escolher o que queremos para as gerações futuras, porque elas são as que marcam todo rumo de quem diz que ta no caminho certo.
Há apenas alguns dez anos nascia um grupo que tinha sonhos, que foram colocados em prática , que gente desse grupo também cresceu e colocou seu sonhos em prática e hoje estão por ai, com alguma boa lembrança para contar aos seus filhos que a vida vale a pena, que tudo vale a pena quando na alma do artista ainda cabe um poema! 
Por isto não posso deixar passar em branco esta sensação de vazio, quando vejo que alguém quer apagar parte de uma história que me pertence, e não só a mim me pertence, além dos batalhadores de sempre, esta história pertence a sociedade que um dia acreditou que os sonhos são possíveis, que a arte popular é possível, que o cinema é cinema possível e que isto só acontece quando o amor humano fala mais alto que qualquer fato externo a este preceito.
Desde esta distância geográfica mando meu mais sincero e fraternal abraço aos companheiros que acreditam que a vida é possível e se for com cultura e arte é até mais divertida.
Viva Clarencio Rodrigues e o seu teatro de bonecos, Viva Tânia Arrabalcom suas estórias e sua alegria de mãe de todos, Viva O José Facury Heluyfacury , com a sua luz humana e cênica, Viva André Amaral Amaral, com o seu palheiro e sua conduta gaúcha de ser, viva Jiddu Saldanhacom toda a sua arte copporea, viva Tatiana Prota Salomão a Letícia MarquesSá Soraya com a sua dança de vida, viva Fernando Chagascabeção, com o seu violão, viva o Wilson, Wilson Miranda Caju, Recitando Fernando pessoa com lágrimas nos olhos, Viva Adriano Chagas, com a sua capacidade técnica e seu olhar atento, Viva Ravi Arrabal Heluy Arraval, artista pro que mandar,Vivam os Jongueiros e os tambores na praça, Viva EU com o cinema na praça ou com o filme proibido no Convento !!! viva! Viva! Viva! Viva cada um de nós que fizemos possível o que para muitos ainda é um impossível, viva todos aqueles que estão no meu coração e no coração de milhares de pessoas que assistiram este processo maravilhoso! 
Longa vida à Associação Tribal!!!

Nenhum comentário: